segunda-feira, 26 de junho de 2017

Por: José Igor*

De opinião controversa a filosofia é definida por alguns como a arte do questionamento, do por que, do esforço racional para entender algo ou alguma coisa. Àqueles que talvez preferem a comodidade à inquietação, a veem como desnecessária ou de pouca eficácia. Entretanto, faz-se necessário, nos tempos atuais, em que somos bombardeados por informações das mais diversas naturezas, adotar uma espécie de filtro como postura, afim de sermos seletivos naquilo que exerce ou não alguma sorte de influência sobre nós, a isso chamamos de senso crítico. Nesse itinerário, a mãe de todas as ciências, se apresenta como mestra e pedagoga a fim de conduzir-nos a uma reflexão séria e verdadeira.

Longe de querer adotar uma postura “do contra”, a pratica filosófica baseia-se em questões que na sua grande maioria são ditas existenciais, ou seja, que fazem referência direta a vida, por isso incomoda tanto. Na grande maioria dos casos, ouve-se dizer que são perguntas, ditas popularmente, como sem resposta. Indagações tais como: “De onde venho?”, “Quem sou eu?”, “Para onde vou?”, são pontos de partida de uma série de suas meditações. Nos debruçaremos sobre esta última, para que pensemos: “Para onde vamos? Aonde queremos chegar?”.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Por: Maria Paula*

“O homem é lobo do próprio homem”. Épico, chocante e acima de tudo verossímil, A lista de Schindler (Schindler’s list) é uma produção cinematográfica mundialmente premiada e conhecida por retratar o drama cotidiano dos judeus poloneses durante a Segunda Guerra Mundial. O contexto evidenciado pelo filme, contudo, não se encerra no nacionalismo cruelmente segregativo nazifascista: a zoomorfização e mercantilização do ser humano são temáticas contidas no decorrer do longa que remetem claramente à máxima hobbesiana.

No cenário prévio à “Solução Final”, a população judia vivia em guetos e, neles, Oskar Schindler encontrou mão-de-obra barata e expropriada para compor sua indústria de esmaltados. Aliás, ele não foi o único que, de forma oportunista e imoral, capitalizou o impacto social e político da ocupação da Polônia pelas forças alemãs. Tal posicionamento leva à constatação de que a responsabilidade pelo holocausto não pode ser atribuída unicamente à imagem de Adolf Hitler: apesar do domínio carismático exercido por ele, a mentalidade do povo germânico, que assistiu e apoiou a violação dos direitos civis dos judeus, estava repleta de crenças de teor discriminatório que proporcionaram a construção do líder.

segunda-feira, 19 de junho de 2017
Por: Camila Corrêa.

O Patrimônio Público é definido como um conjunto de bens, direitos e deveres pertencentes a todos os cidadãos. Uma biblioteca municipal, por exemplo, pode ser incluída nesse conceito, já que qualquer um tem acesso a ela. Contudo, apesar desse patrimônio servir para atender às necessidades da população, muitas vezes a própria acaba sendo responsável por sua depredação.

O descuido com os bens populares se tornou uma situação comum em muitos lugares. A cada canto, é possível observar paredes de escolas pichadas, prédios destruídos, lixo nas ruas, entre outras coisas que passam despercebidos pelos moradores das cidades. Quando se dão conta do estado de calamidade do local em que vivem, a atitude tomada imediatamente é reclamar do governo, não vendo que aquilo é, por vezes, resultado de suas ações.
segunda-feira, 29 de maio de 2017

Por: Gisele Gomes*

Patrimônio público é definido, na Lei da Ação Popular, como um conjunto de bens e direitos de valor econômico, artístico, estético, histórico ou turístico pertencente à administração pública diretamente ou indiretamente. Apesar de ser mantido pelo governo, o mesmo deve ser zelado e cuidado pela população de forma geral.

Um patrimônio abrange não só os bens materiais e imateriais pertencentes às entidades governamentais, mas também aqueles que pertencem a todos, de uma maneira geral, como o cultural (Centro Histórico de São Cristovão), ambiental ou natural (Parque Nacional do Iguaçu) e moral. Os mesmos possuem um valor histórico inegável.

quarta-feira, 12 de abril de 2017


“Acreditar no sonho alheio, é garantir a esperança de uma conquista futura!”

Ir. Giovana Buarque.

Na última sexta-feira (07), os alunos dos 9º anos, do Colégio Nossa Senhora da Piedade, finalizaram com chave de ouro, uma sequência de trabalhos que tinham como finalidade, resgatar a história do futebol lagartense e consequentemente, valorizar a prática esportiva em nossas plagas.  O trabalho teve como idealizador o professor de Educação Física da Instituição, Anselmo Eduardo. Com compromisso, empenho e dedicação, ele mostrou que é possível romper os muros escolares e conduzir a classe estudantil, a práticas que marcam para a vida.